Blogia
COMUNICAÇÃO E PATRIMÓNIO MUNDIAL - Blogue de Apoio à Tese de Doutoramento

REGIÃO DEMARCADA DO DOURO COMEMORA 250 ANOS DE EXISTÊNCIA

REGIÃO DEMARCADA DO DOURO COMEMORA 250 ANOS DE EXISTÊNCIA

O que publicaram os três principais diários portugueses acerca deste exemplar único de natureza e acção do Homem, classificado Património Mundial pela UNESCO em 2001.

 

 

Na continuação dos estudos de investigação que suportam a tese de Doutoramento (agora que a suficiência investigadora está concluída e o Diploma de Estudos Sociais obtidos no decurso do Doutoramento em Comunicação), desenvolve-se neste “post” um dos principais objectivos do projecto de investigação, isto é, provar (ou não) de que os meios de comunicação social dão importância e destaque a temas relacionados com o património em geral e com o património classificado em particular.

Apesar de não se tratar de um espólio arquitectónico mas sim de um património natural, apesar da intervenção do Homem na paisagem, tornou-se premente levar a cabo um pequeno estudo, por alturas da comemoração dos 250 anos da criação da mais antiga região demarcada de Portugal, a região vinhateira do Douro, que procurava apurar o volume de informação que os periódicos diários “Jornal de Notícias”, “O Público” e “Diário de Noticias” difundiram acerca desta efeméride, com incidência, naturalmente à história e ao desenvolvimento desta região demarcada.

Foi amplo o destaque atribuído pelo Jornal de Notícias ao aniversário deste património natural. Oferecendo juntamente com o periódico uma “gravura comemorativa dos 250 anos da Região Demarcado do Douro, chama à capa o tema com o título “Festa: Douro celebra 250 anos de região demarcada. Cavaco Silva presente nas comemorações” e publica cinco páginas inteiras (as primeiras do periódico) dedicadas a este acontecimento, com recurso a textos que exploram a história da região, o seu desenvolvimento, os problemas vividos por esta terra, a sua ligação eterna ao Vinho do Porto, a presença do Presidente da República, Cavaco Silva nas comemorações, a feitura de um leilão como forma de perpetuar a tradição, com espaço ainda para uma entrevista, a ocupar esta última, a ultima pagina de cinco páginas, com dito anteriormente.

No que diz respeito ao Jornal “O Público”, também este chama à capa o tema, e logo com a foto de destaque da primeira página (mas apenas na Edição “Porto”), e com o título”O Douro Moderno nasceu há 250 Anos.

Foram seis as páginas publicadas por este jornal, relacionadas com esta efeméride. Desde a página 10 à página 15, o tema é distribuído por duas páginas relacionadas com a história, uma página dedicada a uma entrevista e a figuras que fizeram a história da região, e as últimas a abordarem o futuro desta região vinícola.

Finalmente o Diário de Notícias, mais conotado com Lisboa, optou por não publicar qualquer texto acerca da temática.

 

Conclusão:

No universo do jornais portugueses, a publicação de cinco ou seis páginas relativas a um tema, é facto digno de registo, principalmente quando falamos de um tema relacionado com o património. Este facto prova que os jornais estão atento a estas matérias e vêem no património matéria de suma importância e interesse para os seus leitores, provando desta forma que as questões do património interessam aos principais meios de comunicação portugueses.

 

 

 

¿Y esta publicidad? Puedes eliminarla si quieres
¿Y esta publicidad? Puedes eliminarla si quieres

0 comentarios

¿Y esta publicidad? Puedes eliminarla si quieres